Close

Arquivos Mensais: abril 2016 [f2016Fri, 29 Apr 2016 10:33:38 +000004am302016 29America/Sao_Paulo 29am30am 29201638 amFri, 29 Apr 2016 10:33:38 +0000q00000033v201638 04America/Sao_Paulo438am3338]

A mesma moeda

Há óculos para procurar os óculos. Há poemas escritos sobre poemas. Manuais que ensinam a escrever manuais. Peças de teatro sobre atores, representadas por atores. Filmes que falam sobre filmes. Livros que dissertam sobre livros. Cartas que motivam a escritura de outras cartas. Palavras que servem para explicar palavras. Cérebros ocupados em estudar cérebros. Há […]

29 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Prosa Poética moeda

Ler Mais

O menino, seu avô e o livro de capa dourada

Era uma lei na família: ninguém deveria interromper o vovô quando, após o almoço, ele se fechava na biblioteca para ler, apartado do vozerio das tardes de domingo. Eu o olhava com calado respeito quando, finda a refeição, ele se levantava, sorria a todos e dizia com a voz grave e mansa: Agora eu me […]

Ler Mais

Pelo amor de Deus!

Quando a seca crava seu punhal impiedoso no coração do povoado, quando as crianças choram porque sabem que só assim terão algum líquido na boca, quando vemos o nosso gado gritando por um pouco de água, as beatas chutam a poeira e dizem que somos gente de pouca fé. Sentimos o tempo todo o seu […]

27 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos água, beata, chuva, , poeira

Ler Mais

À margem duma estrada

Sentada no chão na beira duma estrada, uma mulher chora. Não a incomodam a poeira sobre os pés e o vestido nem o vento que lhe desalinha os cabelos. Olha para longe, para onde a estrada não termina. Seca as lágrimas com as costas das mãos, inutilmente: seus olhos não param de verter água. Não […]

Ler Mais

Contos Mínimos # 521 a 530

521. Chegou ao local do encontro atrasado, ofegante, banhado em suor, mas com o buquê de rosas intacto. Encontrou a noiva esperando na esquina. Respirou fundo, sorriu seu melhor sorriso e entregou as flores a ela, dizendo: Eu também te odeio, querida! 522. Nunca deixou de se sentir feliz, nem quando tinha que utilizar as […]

25 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

Ler Mais

O rosto do meu pai

Quem viu primeiro, mal o galo cantara, e gritou, horrorizada, foi a beata Madalena. O braço esticado para a frente, com o indicador em riste, parecia paralisado. Os olhos não desgrudavam daquilo que — ela gostaria de poder se expressar — parecia ser obra do demônio no altar da casa de Deus: Heresia! Heresia!, sua […]

22 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos beata, heresia, igreja, pai, rosto

Ler Mais

Agora não é hora

Agora não é hora, e peço que não me perguntem quando e como aconteceu. Se fazia frio ou calor, se a lua estava cheia girando no céu ou, ao contrário, se havia nuvens se juntando para a conspiração da chuva, se a cidade estava tranquila ou era o formigueiro habitual de cotovelos se chocando, se […]

Ler Mais

Mensagem ao senhor CEO

Senhor CEO, Descrevo de forma resumida o que foi tratado na reunião à qual o senhor me enviou como representante de nossa empresa, assim como a conclusão referente ao assunto. Foi muito boa a recepção aos participantes, feita por sorridentes e simpáticas Estagiárias de Comunicação e Marketing. Quando o evento teve início, todos os presentes […]

Ler Mais

Os motivos

— Chegue aqui, meu Jovem, e diga com sinceridade: o que te faz ir adiante? O que move teus passos todos os dias? — A curiosidade, senhora. O querer saber, o querer descobrir. A dúvida. Esse é o meu motor. — E os teus olhos, Jovem de Olhar Inquieto, o que guia o teu olhar? […]

Ler Mais

Velho espelho

Ele entrou na sala sem ser percebido e parou no meio. Tirou o chapéu e o colocou sobre a mesa. Sem que eu pedisse ou permitisse, começou a falar. Me contou tudo o que tinha acontecido naquela noite: o sangue na camisa, a marca das lágrimas no rosto, a tristeza que nublava seus olhos, a […]

11 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos cacos, cadáver, espelho, tiro

Ler Mais

Fim

Fechei a janela quando a noite desceu, quando meus ossos puderam sentir, de pronto, que o frio já mordia o ar e que o inverno, agora sem dúvida, já podia ser chamado de inverno. Esqueci por um momento a noite que descia e lhe ofereci a mão. Apertei forte os seus dedos, segurei-os com cuidado […]

Ler Mais

Bodas de ouro

Os dois, na mesa da cozinha, tomam o café da manhã sentados a uma distância conveniente um do outro. Muita proximidade provocaria urticária, e nenhum deles quer passar o dia se coçando. Estão entediados, fartos da vida rotineira e diária. A conveniência os mantém ainda juntos. Motivos não há, além do costume e da preguiça. […]

Ler Mais

O menino e o rio

Sob a luz alaranjada do entardecer, o rio cumpre sua sina de buscar o mar. Faz sua tarefa com propósito e obstinação. Inunda os vales, ladeia os montes, abastece os charcos e segue seu caminho. Numa das margens está o menino, pensativo. — Boa tarde, Rio Destemido. — Boa tarde, Menino Cabisbaixo. Sua visita é […]

6 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos futuro, mar, menino, rio, vida

Ler Mais

Contos Mínimos # 511 a 520

511. O cavalo, desorientado, desembestou pela estrada e derrubou o cavaleiro. O homem quebrou uma perna e gritou por socorro. O animal, certo de que fazia um ato de piedade, deu-lhe o coice de misericórdia na nuca. 512. Newton gastou muitos e muitos anos de sua vida estudando e desenvolvendo os detalhes da Lei da […]

5 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

Ler Mais

A cerca

Minha cidade tem várias ruas destinadas unicamente a pedestres. São ruas largas, que se prestam ao passeio tranquilo dos transeuntes, que gostam de fazer suas compras ou tomar café sem o incômodo das buzinas ou a confusão do tráfego de automóveis. Essas ruas costumam ser comparadas a oásis no caos urbano das metrópoles. Todos amam […]

Ler Mais

O esbarrão

“A construção de um lindo bordado de palavras”, era assim que o escritor esforçado definia o seu ofício. Era assim também que se escondia na retórica oca dos termos que escolhia a dedo. Jamais punha no papel “hoje o sol está brilhando como nunca”, vulgar demais, prosaico demais. Melhor assim: “Hoje os raios deslumbrantes do […]

Ler Mais