Close

Arquivos Mensais: junho 2016 [f2016Thu, 30 Jun 2016 11:05:47 +000006am302016 30America/Sao_Paulo 30am30am 30201647 amThu, 30 Jun 2016 11:05:47 +0000q00000005v201647 06America/Sao_Paulo647am0547]

A arte de emergir do fundo do poço

Cair num poço é bastante simples: basta caminhar até a borda e não deter os pés quando lá chegar; o buraco negro o sugará para dentro dele e está feito. Ou pode-se saltar para o vazio, o que dá rigorosamente no mesmo. Mais difícil, entretanto, é sair dele. Deixar para trás aquele oco sem fim, […]

Ler Mais

O presente

Enquanto os adultos fazem a obrigação comparecendo com caixas de camisa ou sapatos que ele nunca usará, Camilo se aproxima do avô, dá-lhe um beijo no rosto e lhe estende um pequeno embrulho: — Aqui está, vovô, esse é o meu presente para o seu aniversário. Pode abrir, sei que o senhor vai gostar. É […]

Ler Mais

Uma nova ordem

Houve um dia em que se descobriu farto de tudo e de todos, do que estava aí e do que havia por vir. Tinha visões cheias de ruídos e sombras, suava frio, a comida lhe dava alergia até transformar sua pele numa chaga que nunca cicatrizava, os cheiros lhe provocavam alucinações e ao falar confundia […]

Ler Mais

O palhaço

Meu pai foi advogado, como meu avô. Tinha no estudo e compreensão das leis o seu objetivo de vida e procurou, de todas as formas, transmitir esse gosto aos três filhos. Sempre acreditou que pelo menos um deles herdaria sua vocação. Minha irmã bem que tentou mas, mal havia cumprido o primeiro semestre da Faculdade […]

Ler Mais

Instantâneo

A velha de lenço preto na cabeça não se incomoda de ficar horas dando voltas na casa feita destroços. Era a sua casa. Tenta reconhecer, sem conseguir, a parede do quarto, onde era o banheiro, a sala em que fazia crochê, a cozinha que, nos fins de tarde, parecia um paraíso com cheiro de comida. […]

Ler Mais

Contos Mínimos # 561 a 570

561. Quando era uma menina, Alice acordava à noite apavorada com a ideia de encontrar um monstro terrível e desconhecido debaixo de sua cama. Hoje, já casada, ela sabe que o pior pesadelo é acordar todos os dias ao lado do mesmo velho conhecido entre os lençóis. 562. Ele tinha levado uma vida cheia de […]

23 de junho de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos mínimos

Ler Mais

A alternativa

É uma cena que há tempos se repete, desde o dia em que meu pai anunciou que tinha perdido o emprego e minha mãe o abraçou dizendo Nós havemos de encontrar uma alternativa — toda sexta-feira, no meio da tarde, o homem de chapéu, terno e gravata toca a campainha e eu abro a porta. […]

Ler Mais

A coreografia cotidiana

Naquele dia, no metrô, compreendi o que acontece na realidade: ninguém mais quer dançar comigo. Lembro-me disso como se fosse hoje. Entrei no trem e, com as mãos firmemente apoiadas na barra de ferro, olhei em volta e constatei essa verdade. Três senhores muito alinhados, certamente a caminho do trabalho, folheavam o jornal do dia […]

Ler Mais

Carta ao filho

Querido Cassiano, querido filho meu, Hoje é seu aniversário e quero lhe dar meus parabéns. Ontem sonhei com você e foi como se estivesse vendo um filme. Vi o filme da nossa vida juntos: o seu nascimento, você com cinco anos, você adolescente, você se tornando um homem. Sinto saudade, sabe? Por isso pedi que […]

Ler Mais

Cinco páginas

O solteirão Teodoro, morador do terceiro andar, se aposentou em janeiro. Passou a vida trabalhando catorze horas por dia na fábrica de azulejos. Tem agora todo o tempo do mundo e ninguém com quem gastá-lo. No segundo mora Geni, viúva e solitária há mais de trinta anos, que pouco recebe a visita dos filhos. De […]

Ler Mais

Como no cinema

O frio da noite gela os ossos de Amadeu, mas ele parece não se importar com isso. Não nessa noite, pelo menos. De pé na frente do cinema, leu mais uma vez, com vagar, o cartaz que anunciava a demolição daquele edifício. Do seu edifício, hoje mais decadente que ele próprio e tão velho quanto. […]

Ler Mais

O futuro

Quando notei que meu futuro se aproximava do fim, corri até a loja mais próxima para comprar um novo estoque. Eu estava com pouco dinheiro no bolso, mas tinha as minhas economias, que eu nunca fui esbanjador. Minha intenção era adquirir pelo menos cinco anos, talvez seis ou sete, se o preço estivesse bom. Eu […]

Ler Mais

Noturno

Abigail abaixa o som da televisão quando ouve as batidas na porta. A esta hora só pode ser ele, pensa. Os golpes ressoam com a urgência das tantas vezes em que ele voltou para pedir dinheiro ou para levar à força qualquer objeto da casa que pudesse ser trocado por dinheiro. Tinha jurado que não […]

Ler Mais

Resignada

Ela já tinha assumido há tempos, e com resignação, limpar, pelo resto de seus dias, as manchas de café que ele deixava diariamente na toalha da cozinha. Idem para as migalhas de pão que sujavam o piso tantas vezes lavado e encerado e para as gotas de urina que ele insistia em deixar como tatuagem […]

Ler Mais

Anatomia do abuso

Eu me lembro com clareza, que coisa semelhante não se esquece. Isso faz dois meses. Eles chegaram à cidade numa manhã de outubro e foi um acontecimento extraordinário: eram de carne e osso, iguais a mim e a todos os que lá viviam. Turistas. Eram turistas, um casal de estrangeiros visitando um lugar que nada […]

Ler Mais

O abraço salvador

Na Cidade Deslumbrante não há saída. Seus Filhos correm perdidos de um lado para o outro sob o olhar impassível do Pai. Não há sossego, não há paz, nem descanso. A bala que zune, os homens que se armam, o sol que cega, o mar que invade, a baía que cospe lixo, a lagoa que […]

9 de junho de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Prosa Poética abraço, filhos, pai

Ler Mais

Só por ser mulher

Maria Aparecida diz “acho que não quero ser menina, porque na minha cidade as meninas morrem. Quando fica brava comigo, minha mãe fala que já tenho doze anos, então devo me comportar como uma-menina-que-logo-será-mulher, que tenho que me vestir como menina, me comportar como uma menina, andar como uma menina deve andar, não me sentar […]

8 de junho de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos homem, menina, menino, mulher

Ler Mais

Contos Mínimos # 551 a 560

551. A cada vez que termina um poema, o poeta dobra o papel em forma de passarinho e o lança pela janela. Quase todos terminam no chão, amassados, pisoteados, cheios de poeira. Só alguns — aqueles que têm autêntica poesia — conseguem agitar as asas e alçar voo, sumindo no horizonte. Nenhum deles regressa. 552. […]

7 de junho de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

Ler Mais

Comboio

No comboio há toda variedade de automóveis: grandes e pequenos, carregados e vazios. Seus ocupantes também variam: em alguns há famílias inteiras, em outros, apenas o motorista. A fila avança em cadência lenta, uniforme e constante. O primeiro carro para suavemente, os demais o acompanham. O asfalto à frente começa a se mover, a rachar, […]

Ler Mais

Gloriosas

Tem vestido de tafetá? Tem, em degradê, com colar de pérolas e brincos combinando. Sapatos de saltinho, que é para os pés não ficarem tão grudados no chão e poderem voar com mais desenvoltura. E como voavam! E tome rumba, samba, tango, bolero e samba-canção. Para o samba-exaltação era necessário usar muito os braços e […]

Ler Mais