Close

29 de abril de 2016

A mesma moeda

moeda-confirmeHá óculos para procurar os óculos.

Há poemas escritos sobre poemas.

Manuais que ensinam a escrever manuais.

Peças de teatro sobre atores, representadas por atores. Filmes que falam sobre filmes. Livros que dissertam sobre livros.

Cartas que motivam a escritura de outras cartas.

Palavras que servem para explicar palavras.

Cérebros ocupados em estudar cérebros.

Há tristezas que atraem tristezas, assim como gargalhadas que contagiam.

Há papéis que nascem da morte de outros papéis, viva a reciclagem!

Há olhares que olham, e olhos que nada veem.

Há grandes rios, que são grandes pela generosidade dos pequenos.

Florestas que assim são chamadas por causa das árvores que as formam.

Máquinas destinadas a destruir e a construir máquinas.

Sonhos que, de repente, nos arrancam dos sonhos.

É necessário saúde para recuperar a saúde.

A mesma escada pode conduzir tanto para cima quanto para baixo.

Políticos que usam a política para julgar políticos.

Farinhas que estão num saco podem também estar em outro, sem prejuízo de nada ou ninguém.

A inspiração e a expiração são dois momentos da mesma respiração.

Há amor pelo amor. E ódio pelo ódio.

Eventualmente, há amor pelo ódio, porque, ao fim e ao cabo, o que há é ignorância da ignorância.

E mãos ocupadas em lavar-se as mãos.

 




Tags:

29 de abril de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Prosa Poética moeda

              
            
  1.     
                        
              
            
                

Deixe um comentário