Close

4 de outubro de 2019

Alambrados

Assim que anoitece as imagens começam a aparecer: um menino chorando, um velho que arrasta os pés no barro, uma mulher com um bebê nos braços, um barco afundando com centenas de pessoas dentro, filas intermináveis de gente na fronteira, implorando pelo direito de cruzar… Depois, intervalo para a publicidade. Temos aguentado bem, eu acho, ainda que a comida esfrie. Meu pai se levanta e faz o segundo prato. Agora começa a seção de economia, parece que o governo dará mais dinheiro aos bancos. Pra eles, sim, há dinheiro, sempre há dinheiro, diz o velho, mudando de canal. De novo, um menino chorando com o rosto enfiado no buraco de um alambrado de arame farpado. Os soldados não lhe dão passagem. O bolinho de arroz está uma delícia, Matilde, meu pai fala e estala a língua.

A tevê conseguiu me anestesiar, minha mãe lamenta, já quase não sinto nada quando vejo isso. Recolhe os pratos, o rosto fechado. Diz que algumas vezes tem o impulso de sair pelo mundo com uma tesoura gigante e cortar todos os alambrados que encontrar, seja na Europa, nos Estados Unidos, na África, mas se conforma em tuitar a foto de um corpo inerte na praia e sacudir a cabeça, impotente. Os alambrados são a desgraça da humanidade, só o que fazem é separar as gentes, separar, separar, conclui ela. Meu pai faz que não escuta o que ela diz.

Como o dono da casa ainda tem trabalho, ficamos um pouco mais relaxados, mas mesmo assim temos medo. E vergonha. Medo de que o demitam, de que o país fique repleto de refugiados, de que não haja comida nem dinheiro para todos. E vergonha porque ele trabalha justamente numa fábrica de alambrados, mas evita mencionar isso. Por sorte, começou o noticiário de esportes e podemos conversar sobre outro assunto. Minha mãe traz café.

 




Tags:, ,

4 de outubro de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos alambrado, refugiado, trabalho

               
              
            
                

Deixe um comentário