Close

5 de outubro de 2017

As bonecas

Margarida tem pressa para dormir porque amanhã sai cedo da cama. É domingo e domingo é dia de feira. Sua barraca tem que ser a primeira da fila, porque é nas primeiras que o freguês chega com mais calma e mais tempo. É quando ele está mais disposto a comprar, e ela precisa vender.

Pede ajuda aos companheiros para montar a tábua pesada e o toldo protetor que trouxe no furgãozinho. Cobre a madeira com a toalha de linho branco, herança de sua avó. Barraca bonita chama mais a atenção e é assim que Margarida fica feliz. Coloca todas sobre a toalha, chamando-as pelo nome: Daniele, Conceição, Rosa, Abigail, Maria Eugênia…

Um homem se aproxima e pergunta, apontando: “Esta, quanto custa?”. Ele a pega nos braços, acaricia seu cabelo e seu vestido, verifica a articulação dos bracinhos, os olhos brilhantes.

Margarida se apavora. “Ah, senhor, não pode levar a Rosa, a Rosa não. Necessitamos da Rosita para nos mostrar o certo e o errado, ela sabe tudo o que precisamos saber. A Rosa não, sinto muito!”.

O homem, sem entender, pergunta de novo, e o feirante vizinho lhe sussurra que pode observar quanto quiser, mas nunca se interessar por nenhuma delas. Não vai adiantar.

No fim do dia, quando a feira começa a ser desmontada, Margarida pega suas meninas com cuidado, uma a uma, e as coloca outra vez no furgãozinho: “Daniele, Conceição, Rosa… Tranquilas, viram? No próximo domingo vamos voltar, é 12 de outubro, dia da Virgem, e eu farei vestidos novos para todas. A Virgem nos dará boa sorte!”.

 




Tags:, , , ,

5 de outubro de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos bonecas, comprar, feira, meninas, vender

               
              
            
                

Deixe um comentário