Close

21 de setembro de 2015

As feridas abertas: culpa

culpaParado na soleira da porta da sala, ele observa a mulher. Ela, olhos fixos no crochê, quase nem pisca. Desde aquele dia, falar era um sacrifício. As palavras custavam a sair da boca e ganhar o espaço. Dar a elas o seu real significado também exigia esforço. Coisas a comprar no supermercado, isso era fácil. Mesmo o conserto da janela, ou a viagem no feriado, tudo se resolvia num segundo. Mas fazer menção àquilo não era coisa para amadores. Exigia coragem.

– Hoje é domingo ou estou enganado? – perguntou ele, tentando parecer casual.

Ela ajeitou os óculos, afastou as mãos para apreciar os pontos de cruz do bordado a distância e, sem olhar para ele, “Você se refere aos domingos bons ou aos outros? Porque, você sabe, os domingos são diferentes”. Fez uma pausa. “Não sabe?”.

Quase arrependido de ter iniciado a conversa, “Sim, eu sei. Mas não, me refiro aos domingos quando há futebol”, respondeu, olhando o bico dos sapatos.

Os pontos de cruz estavam perfeitos, que bonita vai ficar essa colcha!, ela quase sorriu e “Ah, sei, os domingos em que você ia com o Carlinhos ao estádio”, os olhos permaneciam no crochê.

O Carlinhos! Os olhos, do bico dos sapatos, foram para a janela em frente, essa cortina foi sempre dessa cor? E agora, como continuar essa conversa? “Não, não falo desses domingos, falo dos outros”.

Uso linha vermelha ou cor de laranja? Acho que vermelho cai melhor com esse azul clarinho, “Ah, entendi. Quer dizer os outros domingos, aqueles que vieram depois que você incentivou o Carlinhos a ir para a guerra?”, as mãos e os olhos, cada vez mais velozes, progrediam no desenho do mosaico colorido que iria cobrir a cama que havia muito tempo não era usada. Que nunca mais seria usada.

– Sim, esses domingos – ele entregou os pontos, os ombros voltados para baixo, a voz, um fio, os olhos, sem encontrar lugar onde pousar, as mãos, enfiadas nos bolsos, a garganta, seca, o coração, apertado, a saudade, agigantada, e a dor, a dor, a dor…

A sala era pequena para tanta culpa.

 




Tags:,

21 de setembro de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos culpa, dor

               
              
            
                

Deixe um comentário