Close

30 de junho de 2015

As horas decisivas

mulher chorandoSozinho na sala, jogado no sofá diante da televisão, Amadeu se diverte. Sua barriga peluda sobe e desce ao ritmo das gargalhadas. Enche o cinzeiro de bitucas e bebe cerveja em grandes goles. Às vezes cospe no chão, uma mistura marrom de saliva e nicotina.

No programa Aqui Você Tem Um Amigo, um consultório sentimental a distância para telespectadores insones e aflitos, as confissões são feitas por telefone, na maioria por mulheres. Umas, infelizes, reclamam do matrimônio há muito naufragado. Outras, solitárias, anseiam por um novo amor. Algumas, resignadas, dizem que não esperam outra coisa que não a morte. Outras tantas, histéricas, choram o abandono. O apresentador as ouve e, com voz suave, dá conselhos, acalma corações, acaricia almas amarguradas, minimiza dramas.

Uma mulher, à beira do pranto, destila mágoa e raiva ao narrar as desventuras de seu casamento destruído. Há muito tempo deixei de amá-lo, e hoje não suporto nem que me toque, diz ela. Mas já me decidi. Assim que desligar o telefone vou abandoná-lo. Qualquer lugar, por pior que seja, será melhor que ao lado dele.

Amadeu ri com desdém. Que vai embora nada, quero ver essa mulher se virar sozinha, sem um macho em quem se segurar. E pensa que ele e Rosália, aos trancos e barrancos, ainda conseguem levar o casamento adiante. Não conversam muito mas também não brigam demais, dinheiro nunca faltou e na cama ele nunca deixou de fazer a obrigação.

Essas mulheres reclamam de barriga cheia – Amadeu boceja e olha o relógio. Desliga a televisão e vai para o quarto. Encontra Rosália sentada na cama com os olhos baixos, o rosto inundado de lágrimas e o telefone ainda na mão.

 




Tags:

30 de junho de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos abandono

               
              
            
                

Deixe um comentário