Close

28 de agosto de 2017

Cem, ou quase

Cem, ou quase, mas, se fecho os olhos, não dou por isso. Sei que continuam suaves, amorosas. Ainda são motivo de vaidade, e por isso nunca ficam sem cor, mesmo que não seja necessário, já que dali surge sempre um arco-íris de histórias. Gosto de olhá-las: em constante movimento, nunca quietas. Minha memória as traz lisas e então brancas, e os rios azuis, que hoje transbordam por elas, eram só pequenos riachos sem profundidade.

Comove-me olhá-las, assim, velhinhas, cheias de sulcos de trabalhos ancestrais, laboriosas sempre, e sempre ternas e delicadas. Não me importa que agora já não tenham direção quando apontam algo, e eu precise rodear a cabeça para adivinhar o que lhe chamou a atenção. Ou que, à causa de um tremor inesperado, a lava quente da colher ou mesmo o prato inteiro de sopa caia sobre a ilha de pão na toalha branca da mesa. Não me incomoda ter que varrer o chão depois do espetáculo que é vê-la se alimentando. Nada disso é um problema enquanto eu puder contemplar as mãos de cem, ou quase, de minha mãe.

 




Tags:, ,

28 de agosto de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Prosa Poética cem, mãe, mãos

              
            
  1.     
                        
              
            
                

Deixe um comentário