Close

15 de janeiro de 2015

Contos Mínimos # 211 a 220

espelho3211.

Hoje de manhã, na frente do espelho, descobri as primeiras rugas em minhas palavras. E talvez haja também um pouco de artrite. Doem.

212.

Todas as noites as estrelas piscam ansiosas e se consomem de inquietação. Não conseguem esperar tanto tempo pelo cometa, o macho que só passa de tempos em tempos.

213.

“Aqui é só carne de primeira, não temos pés nem cabeça” – dizia o letreiro na vitrine do açougue.

214.

Sabe de uma coisa? Eu apaguei você de minha memória para sempre. Agora, sua fotografia na minha mesinha de cabeceira é a de uma desconhecida.

215.

“Hoje não, meu amor, estou muito cansado”, ele disse, e virou-se de frente para ele.

216.

– Ultimamente eu me sinto desamado.

– Não é assim que se diz.

– E como é que se diz?

– Por exemplo, “não me sinto amado”, ou “não sou amado”. Desse jeito é melhor.

– Bom, seja como for, eu me sinto desamado. E sentir-se desamado não é igual a não sentir-se amado.

– Mas você está sendo burro. Desamado não existe.

– Não? Olhe pra mim!…

217.

Não cabem dois num poema. É preciso que um fique de fora para escrevê-lo. O outro? O outro se chama canção.

218.

Muito apaixonados pela Branca de Neve, os sete anões não arredaram pé de seu leito enquanto ela permanecia sob o efeito do veneno da bruxa má. Não queriam correr o risco de que aparecesse por ali um príncipe idiota, necrófilo e beijoqueiro.

219.

Você diz que me ama, mas… quem perguntou?

220.

Não se pode dizer que Joelma seja uma mulher fiel. Ela já se deitou com o padeiro, o verdureiro, o açougueiro, o quitandeiro e o dono do supermercado da esquina. A sua geladeira está sempre cheia e comida é o que não falta em sua casa. Os boatos sobre sua infidelidade já chegaram aos ouvidos de Ariovaldo, o marido, mas ele não se importa. Está economizando bastante e no mês que vem comprará uma geladeira maior.

 

 




Tags:,

15 de janeiro de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

               
              
            
                

Deixe um comentário