Close

25 de março de 2015

Contos Mínimos # 261 a 270

velhos2261.

Feitos os cálculos, no final das contas concluíram que foram 0,0000001% felizes para sempre, já descontados todos os impostos.

262.

Assim que se viram, compreenderam que nasceram um contra o outro. Hoje formam um casal exemplar.

263.

– Eu não estou com fome.

– Então não coma.

– E se eu nunca mais tiver fome?

– Aí vai acontecer com você o mesmo que a seu avô.

– Eu vou ficar todo cheio de rugas?

Foi nesse momento que o pai percebeu que ainda não era hora de falar com o filho sobre a morte.

264.

No metrô, vejo uma mãe com seu filho no colo. O menino parece não ter mais que dois anos. Ela o abraça e o beija, afaga-o com delicadeza, protege-o, arruma sua roupinha. Naqueles braços, berço perfeito, a criaturinha indefesa olha para a mãe e sorri, todo confiança. Um pensamento me ocorre: esse carinho e essa segurança é que estragam a nossa vida, vida afora. Porque, quando crescemos, ficamos o tempo todo buscando isso de volta, sem encontrar. Onde está essa proteção a que nos acostumamos desde pequenos? Esse aconchego, essa ternura, esse calor, cadê?

265.

– Essa conversa não faz o menor sentido.

– É porque você está falando sozinho – disse uma voz que saiu sabe Deus de onde.

– É o que estou tentando dizer, carai! Essa conversa não faz o menor sentido.

266.

Era um marido perfeito, um anjo de pessoa, compreensivo, generoso, asseado, inteligente e nem um pouco ciumento. O protótipo desse ser raríssimo está em exibição no Museu de Antropologia, das 10 às 18h, de terça a domingo (a casa não abre às segundas-feiras).

267.

Enquanto Romeu caía na balada na movimentada vida noturna de Verona, Julieta esperava pacientemente na torre do castelo de sua família. Confinada dia e noite, a jovenzinha suspirava de impaciência. Para passar o tempo, lia os livros proibidos (Simone de Beauvoir, Betty Friedan, Kate Millett, Alexandra Kollontai) que sua fiel ama roubava da biblioteca. Eram livros que uma senhorita não deveria ler. Uma noite, Romeu foi ao castelo para visitá-la. Procurou pela larga cabeleira de sua amada para subir até os seus aposentos. Inútil. Julieta tinha cortado o cabelo à la garçon.

268.

Ela chegará em trinta minutos, conforme o combinado. Ele se prepara, faz alongamento e engole a pílula azul. Pouco tempo depois começa a sentir os efeitos do comprimido e fica todo animado. Soa o telefone: “Amor, não poderei ir ao encontro. Minha mãe acaba de falecer. Espero você no velório.”.

269.

Quando chegou o momento de se pronunciar, o político subiu ao palanque, colocou a mão direita sobre a Bíblia e disse com voz segura: “Prometo dizer a minha verdade, toda a minha verdade, nada mais que a minha verdade.”.

270.

Agora, depois de tudo, ela o leva diariamente para o jardim na cadeira de rodas, para que apanhe um pouco de sol. Senta-se na frente dele com o prato de sopa no colo e lhe dá as colheradas na boca enquanto murmura: “Uma para você, outra para a puta com quem você planejava fugir.”.

 

 




Tags:,

25 de março de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

               
              
            
                

Deixe um comentário