Close

24 de maio de 2015

Contos Mínimos # 301 a 310

robo3301.

Quando o robô perguntou com sua voz metálica “por quê?”, os homens do serviço de manutenção imediatamente o empacotaram e puseram nele a etiqueta: “Para reciclar. Urgente”.

302.

Dei ao velho umas moedas que tinha no bolso, para que pudesse tomar um prato de sopa quente. Seu olhar, entretanto, mostrava que sua fome não era de comida, mas de companhia.

303.

Ela passou a tarde escolhendo a roupa que iria usar no encontro com ele; ele ficou o mesmo período imaginado-a nua.

304.

Eu não acredito em fantasmas, de modo que nem se dê ao trabalho de voltar e querer fazer parte de minha vida de novo.

305.

– E então, você e eu, o que somos?

– Pronomes.

306.

Abriu os olhos e percebeu que seu corpo estava cheio de cabos e fios e que respirava por uma máscara de oxigênio. Sentiu o corpo dolorido e os ossos quebrados. Viu quando a enfermeira entrou no quarto e indagou-a com os olhos. Ela limitou-se a dizer que “o senhor caiu do castelo que construiu no ar”.

307.

Quando observo meu gato dormindo perto da janela, sempre imagino a maravilha que seria ser como um desses felinos. Quando meu gato me olha com seus olhos azuis, sempre pensa na maravilha que é ser um gato.

308.

Ontem decidi deixar de fumar. Hoje decidi abandonar Sonia, minha noiva. Nós nos despedimos de forma civilizada e eu a aconselhei a procurar um homem que fumasse. Eu estava acostumado a vê-la atrás da fumaça do cigarro, mas, agora que não fumo mais, ela ficou em desvantagem. Não sei o que será de mim. A gente, quando masca chiclete de nicotina, fica muito exigente.

309.

Viveu e morreu sem nenhuma culpa. Sempre a jogava sobre os outros.

310.

Ela se aproxima com receio e estica o braço. Está a um passo de abrir a porta proibida. Sabe o que vai encontrar e o que a espera. Sua mãe tinha dito: “Eu vou deixar você decidir. Se quiser abrir, abra, a responsabilidade é sua.”. Ela estava indecisa, ainda com o braço esticado, a mão a poucos centímetros da maçaneta. Resolveu: “Dane-se o regime!”. Abriu a porta da geladeira e agarrou o prato com o bolo de chocolate.

 




Tags:,

24 de maio de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

              
            
  1.     
                        
              
            
                

Deixe um comentário