Close

21 de julho de 2016

Contos Mínimos # 581 a 590

amamentar581.

Casaram-se por amor e viveram bastante tempo somente um para o outro, até que Marcelinho veio à luz e se tornou o rei da casa. Tudo mudou a partir de então, e o marido acusou o golpe: seu espaço foi diminuindo mais e mais a cada dia. Sentiu falta do carinho da mulher e tornou-se um homem muito triste. Sua esposa, antes dedicada a ele, agora só tinha olhos para o filho. As noites de amor desapareceram. Um dia viu Marcelinho mamando no peito. Sentiu inveja do pequeno. Carente, percebeu que o outro seio estava livre. Olhou para a mulher e perguntou: Posso?

582.

Há muita gente egoísta neste mundo. Gente autocentrada, que só tem olhos para o próprio umbigo. Gente que fica o tempo todo pensando em si mesma, em vez de pensar em mim.

583.

— Por quanto você me venderia seu corpo? Prometo não degradá-lo nem humilhá-lo. Só vou comê-lo.

584.

— Peço sua bênção, padre, pois pecarei. O senhor disse que Deus desafiou minha fé quando levou meu filho e minha mulher naquele acidente. Agora é a vez de Deus ter fé em mim.

Saiu do confessionário e acendeu um cigarro. Quando os fiéis que lotavam a igreja sentiram o cheiro de gasolina, ele já tinha jogado a bituca no chão.

585.

Um dia perdi os nervos quando voltava do trabalho, depois de pegar as crianças na escola, fazer o supermercado, deixar a roupa na lavanderia, comprar o presente de aniversário de minha sogra, avisar o chefe sobre a reunião e levar o cachorro ao veterinário. Desde então nem penso em procurar por eles.

586.

Ele e sua mulher decidiram abandonar a vida perigosa da cidade e viver nas montanhas. Uma casa de madeira no meio da floresta, perto de um lago tranquilo e muito tempo livre para apreciar a natureza — não precisavam de mais nada. Enquanto passeava entre as árvores, ele ouviu alguém pedindo socorro e correu na direção da voz. Um turista tinha caído num buraco no meio da plantação rasteira e não tinha como sair de lá. Espere, disse, vou buscar ajuda. Foi até sua casa dando risada. Mais um, falou sorrindo para a mulher. E pegou a espingarda.

587.

Príncipe bonitão busca moça que queira viver um conto de fadas. As interessadas devem ser bonitas, ter pés pequenos, pele branca como a neve, saber cozinhar e ser órfãs de pai e mãe. Contatem o serviço de atendimento do palácio depois das dez da manhã, porque antes disso o príncipe está dormindo. Recompensas: estabilidade econômica, o título de princesa e uma placa na porta com a inscrição Viveram felizes para sempre.

588.

Fui a uma cartomante para que lesse o meu futuro. Ela disse que eu estava perdido: ainda não tinha saído do meu passado.

589.

Durante os quarenta dias e quarenta noites em que durou o Dilúvio, Noé, sua família e os bichos da arca foram simples náufragos à deriva. Naqueles dias, os verdadeiros donos do mundo eram os peixes.

590.

— A senhora disse que tinha visto tudo. Pode narrar o que viu e como tudo aconteceu?

— Claro. Eu vi tudo, como não ver? Eu sou cega, por acaso? Vi, sim senhor, posso jurar. Eu saí de casa de manhã bem cedo, pra não pegar fila muito grande no supermercado. O senhor sabe, hoje em dia o que vale é chegar cedo pra aproveitar as melhores ofertas. Foi então que ela passou por mim e quase me furou o olho com a vareta do guarda-chuva. E o que eu poderia fazer? Xinguei, e xinguei mesmo. Enchi a boca com os piores palavrões e soltei. Onde já se viu tamanha distração? As pessoas não olham mais por onde andam? Xinguei a mãe, o pai, o avô, a família inteira. Gritei Por que você não morre, desgraçada? Depois me arrependi. Eu sou muito religiosa e sei que isso não se pode dizer às pessoas. Me arrependi e corri até a igreja, precisava me confessar e me limpar desse pecado. Eu tinha que ver o padre Zeca, me ajoelhar e implorar pelo perdão de Deus. Não queria passar nem mais um minuto com aquela mancha no meu coração. Mas só encontrei o sacristão, sujeitinho arrogante e insolente, com cara de sardinha de lata, dizendo que o padre Zeca estava viajando e só voltaria no dia seguinte. E eu iria esperar até o dia seguinte pra me livrar do pecado? Claro que não! Eu não acreditei e fui até a sacristia pra conferir. Foi então que vi tudo. Tudo, tudo, tudo. O padre Zeca estava em pé, com a batina levantada, e o…

— Senhora, preste atenção, este tribunal não está interessado na vida particular do padre de sua paróquia. O que precisamos saber é se a senhora viu o assalto ou não. Seria capaz de reconhecer o suspeito?

 

 




Tags:

21 de julho de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos mínimos

               
              
            
                

Deixe um comentário