Close

8 de fevereiro de 2017

Contos Mínimos # 671 a 680

671.

O amor é cego. Abram alas, deixem-no passar.

672.

A mãe lhe daria uma laranja se a menina se comportasse e fizesse o que ela tinha pedido. A garota, com esforço sorridente, se comportou e fez o que a mãe lhe pedira. Então a mulher, gargalhada imunda nos olhos e nos dentes, comeu a laranja e jogou o bagaço no colo da menina. A pequena agarrou o bagaço e ficou um tempo olhando pela janela — para o nada, para o infinito, para Deus? E seus olhos, como se a quantidade de pena e desprezo de toda a sua curta vida tivesse assomado antecipadamente a eles, estavam fixos, densos e saturados, como os de uma velha.

673.

Lia todas as orações de todas as Bíblias, de todos os livros sagrados. Rezava a todos os deuses e era zoólatra, idólatra, politeísta e monoteísta. Dedicava-se todos os dias a todos os cultos. Um dia morreu. Ao entrar no reino das sombras, encontrou-se com um Deus que não estava mencionado em nenhuma de suas leituras sagradas. Era um Deus estranho e calado que tomou-lhe a mão e o jogou na massa comum — outra vez barro. O barro comum.

674.

O último exemplar do livro Aprenda a Controlar sua Ira descansava solene na vitrine da livraria. O homem de olhar sinistro estava, mais ou menos, à mesma distância do livro que eu. Assim que percebi que ele iria se movimentar na direção da vitrine, compreendi a insensatez de seu impulso. E soube de imediato: só um de nós sairia vivo de lá.

675.

— Dormir é se suicidar um pouquinho a cada noite.

— Você é solteiro.

— Como sabe?

676.

O carrasco perguntou ao condenado como gostaria de morrer, se pela espada, de tiro ou na guilhotina. A decisão que ele tomou foi criticada por todo mundo.

677.

Ela maquiou a melhor geração de atores do país. Ninguém tinha conseguido tal feito antes. Fora de uma funerária, nunca.

678.

E foram tão felizes que se esqueceram do Facebook para sempre.

679.

A voz na minha cabeça ficou muda. Há dias não se manifesta. Hoje encontrei uma nota que dizia: Você me esgotou. Adeus. Fiquei deprimido. Nem minhas desordens mentais me querem.

680.

Naquela festa todos eram abstêmios. Jesus transformou a água em vão.

 




Tags:,

8 de fevereiro de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos Minímos contos, mínimos

               
              
            
                

Deixe um comentário