Close

1 de junho de 2017

Contos Mínimos # 721 a 730

721.

O novo aluno era o único branco do colégio. E então chegou a hora do recreio, quando a criançada forma as equipes para brincar e jogar futebol.

722.

“Escrevo cartas de amor em vários idiomas. Êxito garantido” — assim dizia o anúncio do jornal, que apresentava em seguida o número de telefone. Liguei por necessidade, incapaz de escrever uma só linha para expressar meus sentimentos a Ofélia. Atendeu-me uma voz feminina, doce, quase angelical. “Necessito saber o nome da destinatária”, sussurrou ela, derretendo meus ouvidos e meu coração. “Como você se chama?”, eu respondi com a voz trêmula. Percebi que ela respirou em silêncio um par de vezes antes de desligar.

723.

Havia uma vez um planeta tão pequeno e tão pobre que sua atmosfera era alugada.

724.

A peruca, os sapatos de salto, as sobrancelhas e as unhas postiças, o vermelho das bochechas, o batom, as meias de seda, o vestido apertado, o enchimento dos seios, o cheiro impregnado no corpo, a nota de cem reais, o papel amassado com um nome e um número de telefone. Tudo sobre a mesa. E, como uma sombra sem dono, Laerte se jogou na cama e chorou sonhando. Sempre se esquecia de tirar também as lágrimas antes de dormir.

725.

Vi de imediato quando apontou o nariz naquela esquina, vi como se aproximava de mim olhando para o outro lado, como se não tivesse me visto. Também percebi quando se sentou disfarçamente ao meu lado, com um sorrisinho entre sarcástico e irônico. Não tive remédio a não ser sorrir e dizer: Olá, solidão, você de novo por aqui?

726.

Todos os casais estão sentados na sala de espera. Não conversam, nem entre si nem com os outros. Anoto seus nomes — Zeus e Hera, Afrodite e Héfesto, Dido e Eneas, Medeia e Jasão, Menelau e Helena, Agamenon e Clitemnestra. Peço a todos que preencham as fichas. Entrego a senha a cada casal, por ordem de chegada. Tenho a impressão de que meu chefe, o juiz mediador de conflitos conjugais, não vai ter um dia muito tranquilo hoje.

727.

E Deus disse: Faça-se a luz!, e a luz se fez. Vendo-a tão linda, curvilínea, torneada, graciosa e suculenta, decidiu ficar com ela para Si. Mais tarde criaria outra para que Adão não se sentisse tão sozinho.

728.

Maria Helena nunca saía de casa depois das nove da noite e não falava com estranhos. Quando precisava ir à rua, desligava o gás e verificava se todos os cômodos estavam com as janelas fechadas e a luz apagada. Trancava a porta cuidadosamente com chave. Cozinhava a própria comida e respeitava o horário das refeições. Não bebia nada gelado ou muito quente, nem álcool ou refrigerante. Comia só o necessário. Quase não falava. Saía pouco. E assim morreu, salvando-se dos perigos e das delícias deste mundo.

729.

Ele tinha pressa, estava atrasado. Desceu correndo as escadas, pulando os degraus de dois em dois. Na rua, desviou de um grupo de velhos que discutia futebol. Ao dobrar a esquina, foi detido por policiais à paisana, que o meteram num carro; leram seus direitos e disseram que estava preso. Tudo muito dentro da lei. Ele não entendeu nada, mas preferiu ficar calado. Chegaram ao tribunal e lhe indicaram um advogado público para a sua defesa. Aturdido, não sabia que respostas dar ao advogado ou ao juiz. Logo vieram, no ritmo das piscadas de seus olhos incrédulos, as testemunhas de defesa e de acusação, videntes, ciganas adivinhadoras, leitores profissionais de tarô e jogadores de búzios. Na sequência, as alegações finais do advogado de defesa e do promotor. O juiz deu a sentença: culpado. Ele só conseguiu balbuciar Mas que acusação pesa contra mim? E o juiz: Homicídio. O sócio seu amigo, com quem o senhor ia se encontrar quando desceu correndo as escadas, estava pronto para confessar o roubo que praticou na empresa, deixando o senhor na miséria. Estamos apenas nos antecipando.

730.

Meu dedo indicador percorre o abecedário de teu corpo, do b de bagina ao v de voca. Ou será o contrário? Será que confundo as letras e as tuas prioridades e os teus desejos?

 




Tags:,

1 de junho de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos Minímos contos, mínimos

               
              
            
                

Deixe um comentário