Close

16 de agosto de 2017

Contos Mínimos # 761 a 770

761.

O Todo-poderoso está mesmo preocupado. Cabisbaixo, tem um grande problema a resolver: às vésperas do Apocalipse, com a chegada iminente dos Anjos Vingadores e suas trombetas barulhentas, o que ele fará com aquelas pessoas, principalmente os casais, que insistem nessa baboseira de “felizes para sempre”?

762.

Desde aquele dia ninguém mais vende balões em forma de bichos nas praças, ninguém mais entrega folhetos nos semáforos e não se ouve alguém cumprimentar o conhecido que encontra na rua. Todo contato humano foi pouco a pouco desaparecendo, porque estão todos absorvidos pelas pequenas telas de cores tão nítidas quanto enganosas, e tão intensas como o primeiro cigarro de maconha. Um vício inescapável. Nossa vida ficará mais fácil, diziam. E assim deixamos que nos invadissem o cérebro para governar nossas decisões, otimizar nossos pensamentos, dirigir nossas escolhas e, de uma maneira definitiva, viver por nós.

763.

A formiga rebelde e contestadora abandonou a fila justo antes que a pisada mortal de uma bota acabasse com toda a comunidade. Aliviada e feliz, foi por outro caminho até um novo lugar. Ali se sentiu realizada: seria a rainha.

764.

Viu aparecer um carro no horizonte. Abriu o porta-malas e pegou a espingarda: não suportava a ideia de compartilhar a mesma estrada com outro motorista.

765.

— E agora que o nosso amor acabou, o que fazemos?

— Vamos cada um pra um lado. Entregamos as armas e pedimos perdão às vítimas.

766.

MONÓLOGO:

“Sente-se só?”, perguntou. “Sim”, respondeu.

767.

Tenho vários desejos. O mais poético deles é te satisfazer textualmente todas as noites.

768.

O escritor está indeciso na frente da tela em branco do computador. E não é que não lhe ocorra nenhuma história. Não é isso. É que uma tela em branco possibilita todas as histórias, e uma tela escrita só tem uma.

769.

Presenciei o assassinato através do vidro. Naquela noite chuvosa, vi tudo. Vi como o homem se aproximou da mulher e lhe apontou a arma, querendo sua bolsa. Vi que ele deu o tiro quando ela reagiu. Ele fugiu, mas eu consegui ver seu rosto de perto. E vi também quando ele voltou e se juntou disfarçadamente à multidão de curiosos. Estou frustrado por não poder denunciá-lo. É o inconveniente de ser um manequim de vitrine.

770.

Ela me perguntou se eu acreditava em amor à primeira vista. Eu a olhei pela segunda vez e respondi que sim.

 




Tags:

16 de agosto de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos Minímos contos mínimos

              
            
  1.     
                        
              
            
                

Deixe um comentário