Close

2 de março de 2016

Dodeskaden*

Dodesukaden [Dodes'ka-den]_Ouviu o apito e viu lá longe o trem se aproximando: dodeskaden, dodeskaden, dodeskaden… Esse som, essa cadência reverberava em sua cabeça. Ele tinha que saber. Saltou sobre os trilhos.

Sempre teve medo de, em pé na plataforma, que alguém o empurrasse no instante preciso em que o trem passasse pela estação. Também tinha medo de cair na via, por um acaso do destino. Ou por vontade própria. Como hoje. Hoje ele saiu de casa decidido a experimentar novas sensações, novos arrepios na pele, a vida por um fio. Tremia só de pensar em dar o salto que tanto o atraía. Agora ainda havia o medo, mas a excitação era maior.

Nos dias em que viajava no trem, ficava incomodado de ter de parar durante horas porque alguém tinha conseguido o que ele não. Pensava: “Como será que ele fez? Tomou impulso e saiu correndo e saltou? Ou andou decidido, contando os passos? Ou titubeou e quase se arrependeu no último instante, quando já não dava mais tempo de retroceder? Foi fácil, será? Ver que o trem vinha vindo e saltar, simples assim?”.

Calculou que seria um segundo apenas, e estaria no meio dos trilhos, rodeado de papéis, garrafas de plástico, latas amassadas de cerveja, lixo. Olhou para os dois lados da plataforma e depositou a maleta e o paletó de executivo no chão, como se fosse voltar logo para buscá-los. O coração gritava, acelerado. Apurou os ouvidos. O trem se aproximava: dodeskaden, dodeskaden, dodeskaden…

 

* Título do filme de Akira Kurosawa, de 1970;

essa palavra é a onomatopeia japonesa para o barulho do trem.

 




Tags:, ,

2 de março de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos dodeskaden, trem, trilhos

               
              
            
                

Deixe um comentário