Close

16 de fevereiro de 2019

Eu vi a mulher de Lot

para a poeta polonesa Wislawa Szymborska (1923-2012), prêmio Nobel de Literatura em 1996

 

Eu vi a mulher de Lot parar um táxi, sentar-se com alívio no banco de trás, remover a tristeza do cabelo na testa e murmurar um destino qualquer ao motorista, sem ao menos olhar para ele. Parecia uma turista sabendo de cor o mapa da cidade que mal conhecia. Usava óculos de sol e amargura no rosto. Mais que amargura, a resignação de quem sabe que perdeu o Paraíso de maneira involuntária e irremediável.

Também vi quando o carro se afastou e se perdeu no meio do trânsito, vi a cabeça da mulher de Lot por trás, misturada com o couro do assento. Vi o seu olhar, apesar das lentes escuras dos óculos. Esse olhar, sempre ele, que reconhece cada rua da cidade desconhecida, que agora tudo vê pela perspectiva da solidão e do sal.

Perdi o automóvel de vista, perdi o rastro da mulher que um dia teve nome (Alice, talvez, ou Raquel, Edite ou Celeste) e mexia com graça a cintura fina, em tudo diferente dessa mulher que, na beira da calçada, fazia sinal para parar um táxi. Naquele tempo ela não só mexia a cintura, tinha também os olhos inquietos, queria ver. E ver foi a sua desgraça. Viu o que não era autorizado ver. Ver custou-lhe a vida. O fogo que desabou sobre Sodoma, e que ela viu, a obrigou ao desterro indesejado que agora amarga, sentada no banco de trás de um táxi. A desobediência não saiu barato para a mulher de Lot.

Nunca mais soube dela, embora imagine sua figura esguia presa na armadilha de uma dúvida, agora que Lot não está, ninguém mais está e ela está só. Imagino que também lamente, e adivinhe, com os olhos rebentados de tanto chorar, a crueldade dos dias que virão e desse Deus que desconhece misericórdia: devolver-lhe os olhos para gravar neles a sentença a que foi condenada, fazê-la outra vez carne e osso e sangue e restituir-lhe a memória e as recordações, no exato momento em que tudo ao seu redor se transforma em estátua.

Meus olhos nunca se esquecerão daquele olhar. Quem há de chorar por essa mulher?

 




Tags:, , , ,

16 de fevereiro de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos mulher, olhar, olhos, táxi, ver

               
              
            
                

Deixe um comentário