Close

6 de maio de 2019

Imperdoável

Estimado senhor Hopper,

Meu nome é Walter Smith. Visitei sua exposição no Centro de Artes sábado passado. Mas não quero falar de pinturas e quadros nestas poucas linhas que lhe escrevo. Não entendo de pintura. Para ser franco, me importa uma merda a pintura.

Um dia tive a oportunidade de vê-lo de longe, fazendo compras com sua mulher no armazém do meu amigo Paul Anderson. O mesmo Paul me disse depois que o senhor era um pintor famoso e que morava no Astor District, o bairro onde só os ricos têm casa.

Meu patrão, o senhor Anton Mars, é o dono do posto de gasolina que fica no cruzamento da Ellis Street com a Four Lane Road, e provavelmente o senhor abasteceu várias vezes lá o seu Buick 52 conversível. Há duas semanas ele foi ver sua exposição e me falou do quadro que retrata justamente um posto de gasolina. O dele.

Ao senhor Anton lhe agrada a arte. Ele sabe apreciar um quadro e comentar sobre o estilo da obra. Viu o seu quadro e me disse assim: É você na pintura, Walter. Um homem com roupa de trabalho, sentado sem fazer nada, só olhando a rodovia, e ainda por cima fumando perto das bombas de gasolina. Eu não pago o seu salário pra que você fique à toa durante o expediente, e ainda por cima expondo meu estabelecimento ao risco de pegar fogo e explodir. E me despediu. Meu chefe me despediu, senhor Hopper.

Por isso no sábado fui à exposição, eu queria ver de perto o tal quadro do posto de gasolina. Fiquei revoltado. O senhor não devia ter me pintado. Não tinha esse direito. O meu amigo Paul me deu seu endereço e aqui está a carta que ora lhe escrevo. Minha mulher Mary Jane implorou que eu não me metesse em encrencas, mas eu respondi que o senhor precisava ter conhecimento do mal que me causou.

O que o senhor fez foi imperdoável, senhor Hopper.

Agora não tenho trabalho e, com a minha idade, não conseguirei outro. Não sei como pagar minhas contas. A Mary Jane só faz chorar. Passo as horas dos meus dias sentado na porta de casa, solitário, pensando no que fazer para resolver a situação.

Senhor Hopper, eu desejo de todo o meu coração que o senhor morra, que sua casa queime com o senhor dentro e que o fogo transforme em cinzas todos os seus quadros de merda.

Saudações,

Walter Smith

 




Tags:, , ,

6 de maio de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos arte, Hopper, pintura, posto de gasolina

               
              
            
                

Deixe um comentário