Close

10 de setembro de 2014

Numa tarde de chuva

– São doze reais e sessenta e dois centavos. Acho que o que você tem aí não vai dar – disse o caixa do supermercado, olhando as notas amassadas e as moedas que o moço tirava do bolso do casaco surrado.

– Espere aí, que vou procurar mais nos bolsos da calça – o moço aparentava calma, embora as pessoas na fila atrás dele começassem a ficar impacientes.

O homem de bigodes e macacão de mecânico soltou um “tinha que ser hoje, que merda!”; mais atrás, a senhora de roupa com estampa de oncinha murmurou para si “vamos, meu filho, que eu não tenho o dia todo”; a garota a seu lado estava com os olhos no celular, sem prestar atenção ao que ocorria. Os demais permaneciam em silêncio, esperando o moço procurar o dinheiro que faltava para inteirar o valor de sua compra: duas laranjas, um filão de pão e três bananas.

– Aqui, achei – disse o moço, entregando duas moedas ao caixa.

– Mas isso ainda não dá, meu amigo. Ainda faltam dez centavos – o caixa empurrou as moedas de volta para o moço.

– E o que eu faço?

– Você pode trocar o pão por um filão menor – disse o caixa. Pegue esse aqui, que é menor. É de ontem, mas ainda está macio.

A oferta do caixa contou com a aprovação das pessoas da fila. “Isso mesmo, leve o pão menor e mais barato, vamos logo com isso”, disse o homem de bigodes. “Pronto, resolvido, arre!”, a mulher de oncinha não conseguia conter a impaciência.

O moço não viu outra solução a não ser aceitar a oferta. Pegou o pão amanhecido, as laranjas e as bananas e saiu do caixa. Postou-se na entrada do supermercado e sentou-se no degrau, embaixo da marquise. Chovia forte lá fora. Ele começou a comer o pão seco. O barulho da água que caía era quebrado de vez em quando pelo som das moedas que alguém jogava em sua latinha. Talvez no começo da noite ele tenha o suficiente para comprar o pão do dia.

 




Tags:, , ,

10 de setembro de 2014 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos chuva, pão, supermercado, tarde

               
              
            
                

Deixe um comentário