Close

19 de dezembro de 2016

O filho, advogado

Pegue uma esposa despeitada, com a raiva e o orgulho ferido vazando pelos olhos. Acrescente uma lagosta fresca e a prepare da maneira como o marido gosta. Junte esse mesmo marido pego em flagrante com a mão e o falo entre as pernas de uma aeromoça vinte anos mais jovem. Adicione sal, pimenta, ervas finas e raticida. Misture tudo e sirva.

O marido foi direto para a UTI da Santa Casa, tiveram que fazer uma lavagem estomacal e ele sofreu violenta queda de pressão e uma parada cardíaca. Está sob aparelhos. A aeromoça sumiu. E agora, uma semana depois, a esposa está implorando a mim, seu filho advogado, que a defenda no tribunal do júri. Defender o indefensável, impossível, disse eu, principalmente depois de ter confessado o crime ao delegado. E comecei a comer a lasanha do jantar, dando o assunto por encerrado.

Eu, que quando comecei a carreira, me via como um juiz cinco estrelas, brilhando no teatro do tribunal, não poderia aceitar um caso perdido como esse, que certamente iria acabar com minha reputação como advogado criminalista. Não, não, eu quero distância de causas impossíveis.

Im-pos-sí-vel, eu repeti, enquanto mastigava e engolia devagar.

— Mas vai me defender, sim. Em primeiro lugar porque você sabe que a culpa é daquele mal nascido a quem você chama de pai. Trinta anos de casamento jogados no lixo por causa de uma sirigaita de uniforme e salto alto. Você vai alegar que eu estava sob forte impacto emocional e errei no tempero da lagosta. Todo mundo vai acreditar, não se preocupe. Em segundo lugar porque sou sua mãe. E em terceiro lugar… lançou um olhar cheio de significado para o meu prato.

Cuspi de imediato o bocado de lasanha que tinha na boca e estava prestes a engolir. Marcamos a primeira reunião para dali a dois dias, eu no papel de advogado e minha mãe no de cliente.

 




Tags:, , , ,
              
            
  1. As relacoes sao assim, basta um erro e tudo q se construiu juntos vira um castelo de areia.
    Como julgar? Errar e do carater humano, julgar e um defeito que ja vem no DNA

  2.     
                        
              
            
                

Deixe um comentário