Close

26 de janeiro de 2015

O sagrado matrimônio

mulher bobe

Quando ficamos definitivamente fartos um do outro, minha esposa e eu decidimos dormir em quartos separados. No começo isso pareceu suficiente, já que eu não tinha que dormir nem acordar olhando para aquela cara que tanto fastio me provocava. Ela devia pensar o mesmo de mim. Mas o problema permanecia quando nos encontrávamos no corredor, ou indo ao banheiro ou à cozinha. Os breves momentos em que nos olhávamos eram insuportáveis. Eu já não aguentava mais, e ela devia sentir o mesmo em relação a mim.

Tínhamos que chegar a um acordo para resolver esse impasse, e o fizemos. Decidimos que o melhor seria dividir a casa em dois, de modo a evitar aquilo que nos parecia intolerável: a presença do outro. Mandamos fazer as obras e agora nossa casa é composta por uma estrutura labiríntica que impossibilita qualquer encontro indesejado. Cada um tem sua porta de saída para a rua, e nenhum de nós tem que falar com o outro ou dar explicações.

Depois de um tempo vivendo assim, reconheço que às vezes sinto falta dela, de seus bobes na cabeça e de seu arrastar de chinelos. Quando faz comida em sua parte da cozinha, o cheiro bom chega até o meu lado e meu estômago ronca. Sento-me sozinho para comer meu ovo frito. Até pensei em chamá-la para uma reconciliação, mas logo desisti. Se ela disser que sim, teríamos que nos meter em obras de novo. Não, é muito trabalho, melhor não.

 




Tags:, , ,

26 de janeiro de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos bobes, casa, esposa, matrimônio

               
              
            
                

Deixe um comentário