Close

2 de novembro de 2016

Prova de resistência

mundo2

É admirável que tenhamos chegado até aqui.

Durante séculos fizemos o impossível para provocar e aumentar o calor. Jogamos na atmosfera, diariamente, milhões de toneladas de monóxido de carbono, cloro, enxofre e substâncias sulfurosas. Como ele ainda resistisse, derrubamos florestas inteiras e envenenamos o solo, para que não houvesse a menor chance de elas se regenerarem. Aniquilamos mais espécies de animais e plantas do que somos capazes de contabilizar. Cultivamos campos inteiros com lixo radioativo e colocamos cimento e concreto onde foi possível colocar; tínhamos esperança de que essa fosse a solução para a eternidade. Negamos pão ou qualquer outro alimento a centenas de milhares de pessoas, matamos de fome crianças e, com o dinheiro que economizamos, fabricamos armas para distribuí-las aos pais delas, para que acertassem as contas com aqueles que resistissem. Relegamos os idosos ao desprezo e à indiferença — quem é que precisa dessa gente que já não produz mais nada e só dá despesa? Para uns poucos demos tudo, para os demais — a maioria — negamos tudo. A estes negamos, inclusive, a justiça, para que não usurpassem os privilégios dos escolhidos e se transformassem, eles mesmos, em exploradores. Não, não podíamos deixar que isso acontecesse. Inventamos guerras, mas só para diminuir a quantidade de gente perambulando por aí sem fazer nada. Transformamos a saúde em mercadoria e a distribuímos com generosidade — mas somente para os que pudessem pagar por ela. Por último, aproveitamos a fé da maioria para impor-lhes uma interpretação distorcida dos antigos ensinamentos — nada de modernizá-los! Finalmente, para coroar nossa obra, acendemos o estopim do caos.

E, por incrível que pareça, apesar de todos esses esforços, o mundo não se acaba.

 




Tags:,

2 de novembro de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Prosa Poética mundo, resistência

               
              
            
                

Deixe um comentário