Close

27 de fevereiro de 2015

Quero ver!

arbeit_macht_frei

Quero ver! Uma faísca, um brilho, uma luz. Quero ver! Você tem? Uma faísca, um brilho, uma luz?

A mulher, pouco mais que pele e osso, andava com dificuldade até o soldado que minutos antes tinha cortado a cerca que a separava, e a seus companheiros, do mundo exterior. Ela segurava como podia os andrajos, não se importando se um pedaço de seu seio murcho pulasse para fora. Não era o momento de se preocupar com isso.

Quero ver!, dizia ela em sua língua, estranha para o soldado que a olhava sem entender. Ela ficou na frente dele e tocou com mãos trêmulas sua farda e os botões, sentiu a textura do tecido. Subiu os dedos lentamente até seu rosto. Tocou seus lábios e finalmente atingiu seus olhos, titubeante.

Você tem? Uma faísca, um brilho, uma luz? Ela olhava aqueles olhos, procurava com os seus uma faísca, um brilho, uma luz. Precisava disso para saber se tudo não passava de um truque. Tinha vivido os últimos anos sem ver nenhum brilho nos olhos de pessoa alguma, nem nos de seus companheiros, nem nos de seus algozes. Todos eram apenas mortos que andavam. Agora veio esse soldado e a mandou sair dali, fez sinais dizendo que ela poderia ir para fora, para a liberdade. Que não seja um truque, porque não vou suportar!

O soldado não entendeu a língua em que ela gritava aquelas palavras, mas percebeu do que ela necessitava: de um olhar. Olhou e sorriu para ela, e seus olhos brilharam. E ela viu!

A mulher foi andando devagar e não se voltou nem uma vez. Nem se deu conta quando puseram abaixo o portão de ferro que tinha lá no alto a inscrição Arbeit macht frei.

(Arbeit macht frei significa “o trabalho liberta”, em alemão)

 




Tags:, , , , ,

27 de fevereiro de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos brilho, faísca, luz, olhar, olhos, ver

               
              
            
                

Deixe um comentário