Close

avô

Tinta

Meu pai diz que seu pai ficou preso num porão depois da guerra. Todas as manhãs penduravam um papel com uma lista na porta de entrada da cadeia. Nessa lista, escrita à mão, havia o nome e o sobrenome de todos os prisioneiros que, no dia anterior, foram fuzilados. “Agora imagine a tua avó, sem […]

22 de outubro de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos avô, cadeia, guerra, tinta

Ler Mais

Menino

Brincar com meu avô era o que eu mais gostava, a melhor parte do dia. A gente costumava tirar o nariz um do outro e depois colocava de volta, ele falava “agora tô respirando de novo” e eu ria. O “pedra, papel, tesoura” decidia quem iria varrer o chão da cozinha depois do almoço. O […]

3 de fevereiro de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos avô, engraçado, mãe, menino

Ler Mais

A sombra do meu avô

Do meu avô herdei sua sombra e a expressão feladaputa. Ele era um mágico espetacular, com dom e graça para divertir quem estivesse a seu lado. E tinha poderes. Os cães raivosos não o mordiam e, se algum chegasse perto, ele logo soltava um feladaputa e o bicho saía correndo. Quando íamos ao colégio, ao […]

22 de maio de 2018 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos avô, mágico, poderes, sombra

Ler Mais

As recordações

Quando o velho Irineu estende os olhos e mira o horizonte, todos em volta dele já sabem: são as recordações. Sabem também que ele logo ficará com os olhos úmidos, o beiço trêmulo, as mãos sobre as pernas mortas, a garganta sem voz que se ouça. E que descerá o choro sentido, de cortar o […]

25 de março de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos avô, recordações, tristeza

Ler Mais

O cheiro de gasolina

Meu avô Américo tinha cheiro de gasolina na pele. Sentado como um comandante na velha poltrona de couro puído, consumia horas organizando seu exército: pincéis, escovas, lixas, tesourinhas e pinças para depilar narizes e orelhas, cortadores de unha e palitos de fósforo. Colocava-os em fila, dava ordens, planejava contendas, definia estratégias. Calçava botas militares e […]

14 de março de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos avô, cheiro, gasolina, neto

Ler Mais

Apenas um velhinho de bom coração

Nos dias parecidos com os de hoje, lembro-me de meu avô Celestino, do lado paterno da família, um velho rabugento de barbas brancas, impaciente com as frivolidades deste mundo — tudo é vaidade!, repetia —, que gostava de me contar a mesma história sempre que o Natal se aproximava. O menino que eu era apurava […]

22 de dezembro de 2016 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos avô, coração, Natal, velhinho

Ler Mais

Viver naquele tempo

Meu avô sempre contava histórias daqueles anos, quando o futuro era incerto e cinza como o pelo de uma ratazana, dizia. Ele dizia que, naquele então, os mais jovens tinham que emigrar para tentar alguma sorte na vida, e que essa coisa de estudar era quase só para os filhos dos mais ricos. Que os […]

Ler Mais

A resposta

Isabel abre a porta com suas mãozinhas e espia. Vê o avô sentado na poltrona e corre para perguntar a ele. Lembra-se de que ele sempre tem resposta pra tudo. O velho a olha e não a vê, a mirada fixa num ponto infinito que a menina não consegue saber onde está. Depois volta a […]

Ler Mais

O presente

Enquanto os adultos fazem a obrigação comparecendo com caixas de camisa ou sapatos que ele nunca usará, Camilo se aproxima do avô, dá-lhe um beijo no rosto e lhe estende um pequeno embrulho: — Aqui está, vovô, esse é o meu presente para o seu aniversário. Pode abrir, sei que o senhor vai gostar. É […]

Ler Mais

O palhaço

Meu pai foi advogado, como meu avô. Tinha no estudo e compreensão das leis o seu objetivo de vida e procurou, de todas as formas, transmitir esse gosto aos três filhos. Sempre acreditou que pelo menos um deles herdaria sua vocação. Minha irmã bem que tentou mas, mal havia cumprido o primeiro semestre da Faculdade […]

Ler Mais

O instante mágico

Como em todos os domingos, ali estava a cena familiar perfeita. Minha avó não perdia o brilho travesso dos olhos. Atenta a tudo, parecia se divertir. Meus tios e meus pais quase morriam de tanto gargalhar, por qualquer motivo ou até mesmo sem ele. Meus primos pequenos brincavam no chão, os maiores fingiam que eram […]

Ler Mais

Voltar

Meu avô morreu com o desejo de voltar à terra que o viu crescer e entender o mundo. Ficamos sabendo disso depois que o enterramos e fomos cuidar de seus pertences. Na gaveta de sua mesinha de cabeceira encontramos centenas de cartões postais com destinatários, que nunca foram enviados. Estavam amarelados e todos mostravam paisagens da […]

2 de fevereiro de 2015 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/" title="Visualizar todas as postagens por " rel="author"> Contos avô, regressar, Terra, voltar

Ler Mais