Close

domingo

Na ponta dos dedos

Quando a luz voltou, percebemos como era numerosa a nossa família. Descobrimos, boquiabertos, que as gêmeas eram na verdade gêmeos — e estavam tão bonitos, tão crescidos! — e que tia Janete tinha se casado com o entregador de leite, uma rapaz muito simpático e falante que havia três anos morava num canto do porão. […]

Ler Mais

A extinção dos Bocanegra

Eis aqui, para quem quiser saber, a triste história da extinção dos Bocanegra, família que tinha sobrevivido com sucesso aos dinossauros, às pestes em geral, às guerras e à fome. Aos domingos havia o sagrado almoço na casa da matriarca viúva, ocasião em que se reuniam para compartilhar a comida, as críticas a tudo, os […]

Ler Mais

O limite da solidão das tardes de domingo

Todos os domingos, depois da missa das onze, as senhoritas Figueiredo Abrantes passeiam sua elegância recatada pela praça da matriz — sapatos de salto médio, saia abaixo do joelho, discreto decote, uma ou outra joia de família. Pode-se dizer que não só se preocupam em combinar cada peça dentro de uma mesma paleta de cores, […]

Ler Mais

O menino, seu avô e o livro de capa dourada

Era uma lei na família: ninguém deveria interromper o vovô quando, após o almoço, ele se fechava na biblioteca para ler, apartado do vozerio das tardes de domingo. Eu o olhava com calado respeito quando, finda a refeição, ele se levantava, sorria a todos e dizia com a voz grave e mansa: Agora eu me […]

Ler Mais

Como se não soubéssemos

Como se não soubéssemos, eu e a aleijada… Sempre o mesmo, nos domingos à tarde. Em fila, meninos de um lado, meninas do outro. Mais velhos atrás. Eu ficava atrás. Já era grande e tinha buço. A aleijada, sentada no saguão. Ninguém dava bola. Que acabe logo essa porra, eu pensava. Percebia que tinham chegado […]

Ler Mais