Close

mão

Debaixo deste céu há escuridão

Saiu de casa em busca de um emprego. Disseram-lhe: Só te daremos trabalho se te cortarmos uma mão. Estava há muito tempo desempregado, tinha filhos. Aceitou.   Pouco tempo depois o demitiram e ele voltou a buscar trabalho. Disseram-lhe: Só te daremos trabalho se te cortarmos a mão que te resta. Ele não podia ficar […]

Ler Mais

A invasão

Não bastassem o calor insuportável e a falta de ar fresco no ônibus abarrotado, e eu quase inteiramente imobilizada pela multidão de passageiros ao meu redor, ainda tive que aguentar aquela invasão. O sujeito me agarrou a bunda e pôs sua mão suja para trabalhar, sem permissão, em propriedade particular vetada a estranhos. Não foi […]

4 de maio de 2019 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos assédio, bunda, criminoso, mão, ônibus

Ler Mais

Amor perigoso

Os dois sabiam — ela mais que ele — que era um amor perigoso e que a qualquer momento a fatalidade aconteceria. Uma tragédia anunciada, comentavam os outros. Não era por acaso que ela tinha esse pescoço tão longo e tentador de cisne, e ele, essas mãos de estrangulador, grandes, peludas e fortes. O destino, […]

Ler Mais

A mão de Deus

— E então Deus não é grande?, João Lira perguntava sempre, e ele mesmo respondia: É maravilhoso! Aos domingos, para ver a tarde morrer, a família se juntava no lado de fora do casebre e conversava. João Lira era o que mais falava, os outros ouviam e concordavam com a cabeça. — Quando nós trabalhava […]

Ler Mais

Bernardo

  Entre risinhos de satisfação, os olhos brilhando, Carolina guiava os dedos de Bernardo e explicava com carinho como ele tinha que fazer. “Aqui, ó, faz assim, bem devagar.”. Ele fazia cada movimento com cuidado, prestando muita atenção. Ficava feliz com a alegria dela. Esse ritual acontecia todas as tardes, na sala ensolarada do casarão. […]

Ler Mais

Os caramelos

No pote transparente sobre a mesa os caramelos dormem seu sono açucarado e sem sobressaltos. Estão serenos e descansam. A mão que escolherá um deles ainda está longe, escondida no bolso do casaco, cujo dono caminha despreocupadamente pela calçada, de volta do trabalho. Agora a mão empunha a chave, mete-a na fechadura e abre a […]

Ler Mais