Close

verde

Guernica

Um dia o azul desapareceu. Olhamos para o céu com cara de espanto. Quietos. Alguém palpitou que uma tempestade se aproximava, mas aquele cinza parecido com aço sobre a cabeça de todos não tinha nada a ver com os temporais costumeiros do mês de abril. Era diferente. Havia um cheiro, um quê desconhecido que tornava […]

Ler Mais

O movimento organizado

O semáforo fica verde para os pedestres e concede dez segundos às mulheres jovens para cruzarem a rua. Todas cruzam. Na sequência, é a vez das crianças acompanhadas por adultos: cinco segundos. Uma senhora, puxando seu filho pela mão, se distrai com qualquer coisa e perde o tempo que lhe cabe. Estava no meio da […]

Ler Mais

Um amor na USP

Era outono e as folhas daquela árvore tremiam. Também eu, também nós tínhamos um tremor novo, uma febre nova todas as tardes. Como o mar, que chega até as rochas e as quebra, e as vence, assim era você, estudante. Eu conhecia a sua solidão, seu corpo, mesmo antes de ver de perto a sua […]

18 de setembro de 2018 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Poesia amor, campo, folhas, livros, ouro, verde

Ler Mais

A gravata verde

— Sabe no que estou pensando agora, Eliseu? Que a última palavra sempre foi sua. O tempo inteiro, a vida inteira, todas as vezes, até quando não precisava. Como nas bodas de ouro da comadre Irene e do compadre Estevão. Eu dizia que o melhor presente era uma bandeja, dessas laqueadas de dourado, mas você […]

11 de setembro de 2017 < a href="http://homemdepalavra.com.br/author/mbaggio/" title="Visualizar todas as postagens por Mario baggio" rel="author">Mario baggio Contos gravata, última palavra, verde, viúva

Ler Mais

No fundo da memória dormem as cores

A dupla de barqueiros parou de remar por um momento para descansar os braços naquela viagem sobre as águas turvas do rio. Havia garrafas e sacos plásticos boiando aqui e ali no meio de imensas bolas de espuma branca, que transformavam a superfície da água numa escultura gótica. E o cheiro, esse, sim, quase insuportável, […]

Ler Mais