Close

4 de abril de 2020

Vincent

Vincent já tem o seu jardim

no país do Não-Me-Lembro.

 

Tem sua alameda,

seu próprio chafariz,

o roseiral, o ipê roxo,

os girassóis, todos os girassóis do mundo,

o banco de pedra

onde se esconde para escrever poemas.

 

Vincent pode, por fim, gritar para a Morte:

“Diz-me, oh, Morte, onde está a tua vitória?

Não é aqui, não é aqui!”

 

Vincent, o poeta da existência,

alcançou o céu

e agora brinca entre as constelações.

 




Tags:, , , ,
               
              
            
                

Deixe um comentário